sábado, 27 de novembro de 2010

A natureza do mal


Nas recentes prequelas de Star Wars, uma ameaça fantasma paira ao longo dos filmes - é Darth Sidious, que consegue manter a sua identidade secreta de todos, inclusivé dos jedi, que estão desorientados; como tal, vai controlando na obscuridade a República.

Nestes últimos dias, tenho chegado cada vez mais à conclusão que o mal quando se resume a uma figura só, não é o pior dos cenários, pois podemos tentar atacar e matá-lo logo pela raiz.

A meu ver, o mal mais perigoso é quando está escondido por trás de um colectivo, que facilmente se poderá auto-desculpabilizar, se alguma coisa der para o torto. É o mal que persegue os tempos que vivemos, tempos de auto-desresponsabilização, em que estamos a ser controlados que nem rebanhos pela comunicação social, mas as pessoas insistem de forma naive em atirar as culpas para os suspeitos do costume - os governantes.

E assim, as pessoas continuam a perpetuar o eterno retorno.

Sem comentários: