segunda-feira, 24 de janeiro de 2011


Rever Pauline à la Plage fez-me recordar um outro filme em que também é retratada a atracção de adultos por teenagers sexys - American Beauty - de que gostei, mas sempre achei algo conservador, no que dizia respeito a essa paixão proibida.

Pauline à la Plage mostra-nos uma França não muito distante, na década de 80, em que uma adolescente se vê confrontada com a hipocrisia dos adultos, mas a abordagem do filme em termos de sexualidade, é descomplexada e sem rodeios.

Faz falta uma educação sexual assim em Portugal.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Tenho visto muita gente, cuja opinião respeito, a falarem mal de Paulo Coelho e a argumentarem que ele é um escritor demasiado comercial/superficial, etc. Talvez devido a essas influências, evitei livros do autor.

Pois bem, li O Diabo e a Senhorita Prym em dois dias, e há muito que um livro não me agarrava tanto. Posso não ser propriamente uma autoridade em literatura, mas uma coisa vos posso garantir - alguém que escreve uma parábola tão fascinante sobre o Bem e o Mal é tudo menos uma pessoa desinteressante ou superficial.

sábado, 8 de janeiro de 2011

Na morte de Carlos Castro

Hoje de amanhã, ao acordar, sou prontamente informado que o cronista reputado Carlos Castro foi assassinado em Nova Iorque pelo seu jovem amante, aspirante a famoso modelo.

Este é um estilo de notícias que não costuma acontecer muito em Portugal. O nosso país é um sítio onde pais matam os filhos (o caso da Leonor qualquer coisa); onde filhos matam os pais (todos os meses há um caso); uma praia de corrupção e de intriga. Este é um estilo de crime que sucede mais nos EUA, onde o culto da fama é levado a dimensões extremas - volta e meia alguma celebridade aparece morta no chuveiro, ou assassinada, ou com uma embalagem de barbitúricos presa na mão (e depois descobre-se que a celebridade era, hélas, solitária).

Ao chegar uma situação destas ao jet 7 português, mesmo apesar do crime não se ter passado em nosso solo, convém questionar a cultura da fama que se tem instalado em Portugal, nestes últimos anos, que está habituada a ser idolatrada por muito pouco. Programas de fama proliferam na tv, dão-se falsas esperanças a jovens (o assassino era concorrente de um concurso de talentos da SIC), que sem horizontes nenhuns, se entregam a uma máquina canibal que é a televisão (quem fala em glamour é só mesmo gente desiquilibrada mental). Trocam o seu corpo e vendem a sua alma a troco de um bocado da luz da ribalta, e as revistas respondem com os seus flashes.

Desde que tenho feito visitas aquele mundo, há algumas coisas que me têm surpreendido pela positiva na televisão é verdade, mas também tenho observado um lado podre que está inerente a todo aquele verniz, lado esse que não tenho visto sequer insinuado pelas revistas cor-de-rosa. Está por fazer um filme ou uma série sobre esse lado podre. Quem tem coragem de o fazer?

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Esqueci-me de dizer uma coisa, anteontem tive pesadelos e sonhos, seguidos uns aos outros em ordem cronológica. Sonhei com celebridades, com a Casa dos Segredos, com a morte de pessoas próximas, e com parentes psicopatas com uma faca nas mãos. Acordei com suores frios.

Creio que descortino mais ou menos o significado no meio desta misturada.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

A Cinemateca este mês está bastante interessante, como se esperava. Ontem tive o privilégio de ver 100 minutos de curtas realizadas pelos Lumiére e amigos, e caramba aquilo é uma jornada ao passado. Nota-se ali um esforço por construir algumas narrativas com o novo instrumento - a câmara de filmar. Era o despontar de uma arte que ninguém dava dois tostões por ela, inclusivé os próprios inventores.

Este mês, se me quiserem encontrar, vou andar por lá.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Ontem à noite estava a dar uma reportagem na RTPN sobre os sem-abrigo, e a sua dura realidade.

A peça foi uma valente chapada na cara, que me fez sentir com vergonha na minha zona de conforto.

A certa altura, a jornalista pergunta em voz alta "Como é possível isto acontecer no Portugal de hoje?". Eu respondi mentalmente - Num país corrupto em que o que interessa é lixar o próximo, num país em que nada se faz, em que o que interessa é denegrir tudo e todos quando os outros viram as costas, num país em que o que interessa é saber as últimas fodas do Cristiano Ronaldo; qual é o espanto?

domingo, 2 de janeiro de 2011

Hoje, no segundo dia do ano 2011, aprendi uma valente lição - em última instância, apenas podemos contar connosco. Nem os familiares nem os amigos nos safarão.