sábado, 30 de abril de 2011

Carpe Diem


Não me lembrava o quão bom era O Clube dos Poetas Mortos. Quando o vi há uns anos atrás, estava demasiado embrenhado na minha realidade e nos meus problemas pessoais para conseguir estabelecer um ponto de identificação com os estudantes daquele rígido liceu de New England.

Depois, anos tolos de lavagem cerebral com filmes intelectuais, deixaram-me amorfo e insensível a filmes com alma.

Hoje reencontrei-me com este filme que havia esquecido grande parte, permitindo-me reconstatar a importância de o ver hoje, em 2011. Este é o tipo de filme que diz respeito a todas gerações, quer as de hoje, quer as de 1989 (o ano de estreia do filme), quer as da década de 50, quer as do século XIX.

O que o filme nos transmite é uma mensagem intemporal, que não é simplesmente para nos pormos em cima das carteiras de sala de aula, o que o filme nos quer alertar é que não devemos deixar-nos subjugar pelo status quo - que devemos sempre ter uma vontade própria, não seguindo todos os outros, caso contrário tornamo-nos mais um na carneirada, perpetuando um sistema antigo que tanto beneficia a quem nos governa.

Viver o momento. Carpe diem. Seize the day - como diz Robin Williams.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Breve vislumbre do futuro


Estranhamente, o melhor filme do 25 de Abril que passou na tv acabou por não abordar directamente a revolução e nem sequer ser português - foi A Turma, que deu esta noite, à 1 hora da manhã, na RTP 1 (mais uma vez, senhores do "serviço público", obrigado pelas belíssimas horas a que dão os bons filmes!), filme que eu me arrependo de não ter ido ver ao cinema.

Aqui, temos um retrato fiel do que está a passar nas escolas francesas suburbanas, em que autênticas bombas relógio estão a dar os primeiros sinais de violência, após décadas de políticas irresponsáveis na Europa.

Portugal não foge à regra, no meu tempo testemunhei situações bastante desagradáveis, e que têm vindo a agudizar-se com o passar do tempo. E negar isso é negar a evidência.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Variante

A Visão desta semana deve ter a primeira capa positiva da década: Como Portugal ultrapassou crises anteriores, no passado.

E ali vêm de facto, verdadeiras crises, bem mais graves do que esta - a pesta negra, o domínio espanhol, a guerra civil, etc.

Nunca é demais relembrar a própria História a um povo amnésico, sedado em telenovela e noticiários.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Revelação

Dizem-me que o realizador favorito de Álvaro Cunhal era Hitchcock. Fico surpreso, pois não me admiraria muito se fosse Eisenstein, Buñuel, ou até (à pala de ter sido expulso dos EUA) Chaplin; agora um realizador tão burguês como Hitchcock é difícil encontrar, sendo extraordinário que fosse da preferência do mítico líder do PCP.

domingo, 17 de abril de 2011

Breve desabafo

Até quando teremos que levar com a canção Chamar a Música a ser cantada por fedelhos? Tá bem que a letra é bonita, mas já deu tudo o que tinha a dar quando foi cantada no Festival.

Uma Canção para Ti é seguramente o pior programa de tv de todos os tempos. E com o júri mais mentiroso da face da terra.

sábado, 16 de abril de 2011

E o tema quente do momento é...


A entrevista de Nuno Artur Silva a João Botelho, num canal do cabo. Mesmo apesar de Botelho ser algo brusco, o apresentador meteu-se à mão de semear.

domingo, 3 de abril de 2011

Mais vale tarde do que nunca



Hoje tive algum tempo livre, e resolvi ver 2 filmes que já andava há algum tempo para ver: Billy Elliott (2000) e O Guru do Sexo (2002).

O primeiro lida com um miúdo que quer fazer ballet numa Inglaterra de Newcastle conservadora, é um musical inesperado sobre ultrapassar osbstáculos face à adversidade.

O segundo, embora mais leve e aparentemente inócuo, trata de um indiano que emigra para os EUA, sonhando tornar-se cantor ou actor. O problema é que os americanos verão nele um guru de algo que ele nem está muito à vontade. O choque cultural e os gags são desconcertantes, as actrizes são umas beldades talentosas (Heather Graham e Marisa Tomei), e a sátira à indústria da auto-ajuda e aos gurus com aura "divina" é delirante.

Dois filmes recomendadíssimos.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

O choque... o horror...

Na edição de hoje da Caderneta de Cromos, Nuno Markl revelou algumas das figuras mais populares da televisão do "bom" ano de 1986, segundo uma Tv Guia da altura.

A série mais votada pelo público é... Fama.
O apresentador/locutor mais votado é... Carlos Cruz.

Sonhos

Esta noite sonhei com doppelgangers, isto é com duplos, que eu matava, mas depois apareciam mais nem uma cabeça de medusa. Sonhei ainda com duplos de raparigas que vinham num autocarro. Sonhei também que eu ia num monocarril, e ia apanhando objectos que ia encontrando, como óculos de sol.

Na noite de ontem, sonhei que ia muito atrasado para uma peça de teatro, em que era actor secundário, e as pessoas estavam fartas de esperar por mim. Quando eu chegava já era demasiado tarde, pois já tinham arranjado um substituto para mim.
Esta peça de teatro era encenada por um antigo professor meu.