sábado, 10 de março de 2012

Nunca vos aconteceu alguma coisa ser tão intensa que têm que a interromper para assimilar devidamente as coisas? Tal é o caso de 11 Minutos, de Paulo Coelho, um livro que inicialmente li non-stop quase até ao meio, mas que depois tive que começar a abrandar o ritmo, lendo somente um capítulo antes de me deitar. A aprendizagem que nos é dada em cada parágrafo exige uma pausa quase constante para uma pessoa pensar sobre aquilo. A leitura é desafiante a esse ponto.

Coelho, mesmo que seja um mercenário em termos de literatura como tanto lhe chamam, já ganhou o combate em termos de transmissão de filosofia de vida. E isso, meus amigos, é algo de que poucos escritores se podem gabar.

Sem comentários: