sábado, 22 de dezembro de 2012

Sessão dupla natalícia

A passada Quinta tive oportunidade de ir mais uma vez à minha querida Cinemateca, desta feita com intenção de ver um filme de um realizador da Nouvelle Vague francesa de que nunca tinha visto nada - Jean Eustache.

O filme, Le Père Noel a les Yeux Bleus, realizado em 1966, é um daqueles filmes raros a que eu chamaria de inspirador, pois dá-nos motivação para voltar a filmar, para contar estórias através de imagens e de pessoas, mesmo com poucos meios. As personagens são simpáticas e as vivências não muito diferentes das nossas no Portugal de hoje, com a luta pela sobrevivência e a luta pelo amor sendo uma constante diária. Podemos encontrar uma cara familiar dos filmes de Truffaut por aqui - o grande Jean Pierre Léaud.

Antecedendo o filme de Eustache, encontrava-se a curta-metragem do José Oliveira, Pai Natal, que tive oportunidade de ver em Ante-Estreia há alguns tempos, e que gostei mais desta vez, uma vez que os locais, pessoas e dilemas eram tão familiares, que pareciam memórias de pessoas cá de casa.

Sem comentários: