segunda-feira, 8 de abril de 2013

Conhecer outra faceta de uma escritora

Agatha Christie é provavelmente a autora que eu li mais na minha vida, em parte pela linguagem simples, directa e despretensiosa, e em parte pela fórmula irresistível e certeira que assistimos desdobrar-se com algumas variantes nas dezenas de livros. Como era possível escrever tanto e tão bem intrigava-me também muito.

Li praticamente todos os livros em que aparecia o detective belga Hercule Poirot, bem como alguns em que ele não aparecia, mas às vezes dava-me a sensação que havia um subtil sentido de humor e comentário social mordaz por detrás de toda a tragédia dos crimes daquelas estórias e de toda a frieza do processo criminal.

A dupla do casal de detectives Tommy and Tuppence foi criada um bocado nesse sentido, de narrativas mais leves, com menos sangue e drama, e mais martinis, maior sofisticação e elegância, mais wit britânico, misturado com os sons do foxtrot e do charleston dos anos 20.

Só agora descobri, graças à RTP Memória, a série Agatha Christie's Partners in Crime e fiquei bastante agradado com essa série gravada no início dos anos 80, até porque acaba por colmatar muitas lacunas acerca da vida da escritora. O que leva uma jovem de boas famílias, com uma educação austera, com um bom casamento e sem visões de dificuldades financeiras, dedicar-se à escrita de policiais? 

Partners in Crime dá-nos grande parte das respostas. Tommy e Tuppence é um casal muito ao estilo de Nick e Nora, mas numa versão britânica. O crime acontece à sua volta, mas isso não parece ser muito grave, pois o importante é ficar cool e espezinhar a rotina. Quase que sentimos a presença da autora projectando como gostaria que fosse a sua vida diária conjugal, observando a vida animada de Tommy e Tuppence (brilhantemente interpretados por James Warwick e Francesca Annis).

A quem vir a série, à primeira vista, e sem conhecer muito sobre Christie, parecerá outra daquelas séries respeitáveis de época da BBC - glamourosa, mas frouxa e sem surpresas. Nada poderia estar mais longe da verdade.

Sem comentários: