quarta-feira, 16 de abril de 2014

Tarzan, the Ape Man

Volvidos tantos filmes de Tarzan, com vários actores, de todas as formas e feitios (está aí mais um filme em cartaz), versões animadas da Disney tanto para tv como para cinema, nada como regressar à versão original produzida pela MGM com Johnny Weissmuller.

Ora o filme está bastante bem feito, e bastante menos datado do que possa parecer à primeira vista. Em termos de políticas sexuais, Jane é uma heroína bastante desenrascada, que consegue disparar com destreza, não é a típica rapariga aos gritos sempre que aparece um animal selvagem. Nesse aspecto, elogios sejam feitos a Maureen O'Sullivan, que desempenha de forma notável e definitiva a personagem, deixando a um canto muitas das personagens interpretadas pela filha Mia Farrow, anos mais tarde em filmes de Woody Allen por exemplo.

O aspecto desactualizado que mais incomoda trata-se de algo técnico - os actores a representarem e a reagirem em frente a uma stock footage muito fake e desproporcionada de indígenas africanos.

De resto, as cenas com os animais são excelentes, as lutas dos duplos com os leões e leoas são impressionantes, e a mensagem pró-ecológica é notoriamente bem anterior aos anos 60. A meu ver, este é um dos filmes essenciais dos anos 30 e do século XX.

Sem comentários: