segunda-feira, 23 de junho de 2014

Mães monstruosas

Ah, a maternidade... Ter um filho, o acto de amor mais bonito que uma mulher pode ter. Adoptar uma criança, o acto mais altruísta que um homem ou uma mulher pode ter, face à humanidade. Eu gosto de Angelina Jolie tanto como o próximo, mas assim que a começam a pôr num pedestal por ser embaixadora de não sei quê e adoptar dúzias de crianças multi-raciais, eu começo-me a perguntar se ela não estará a aproximar-se de uma fase Mommie Dearest na sua carreira.

Mommie Dearest, para o caso de vocês cinéfilos incompletos não saberem, é um filme fantástico baseado nas memórias de abuso e violência de Christina Crawford, a filha adoptiva da super estrela de Hollywood Joan Crawford. Que também fazia bonitos discursos aos jornalistas de querer mudar o mundo, de que se pudesse adoptaria todos os orfãos do mundo. O filme irá mudar para sempre a vossa imagem da actriz de The Women, Mildred Pierce, Johnny Guitar. Aliás irá mudar para sempre a vossa maneira de olhar para os astros de Hollywood que são adulados, fotografados e copiados 24 horas por dia.

Injustamente massacrado pela crítica aquando da estreia (por simplesmente ainda estar demasiado enfeitiçada pelo legado de Crawford e pela "magia" da tinseltown), o filme é um ensaio severo e imperdível em assuntos como a fama e a reverência que continuamos a demonstrar pelas estrelas de cinema... mesmo apesar de conhecermos tão pouco sobre as mesmas.